Loncopue


Origem do nome: do mapudungun “lonco”: cabeça, chefe, cacique e “hue”: lugar: “lugar do cacique” ou “Capital/Cabeceira”.

Como chegar: Ruta Provincial 21

Temperaturas no verão: Média máxima 27°C / Média mínima 13°C

Temperaturas no inverno: Média máxima 15°C / Média mínima 5°C

Distância até Neuquen Capital: 306 km.

Distância até a Buenos Aires: 1447 km.

Prefeitura: Gobernador Rodríguez S/N | Tel: +54 2948 498314

Posto de gasolina: Sim

Loncopué é o início do Departamento homônimo localizado na confluência do rio Agrio e o riacho Loncopué. Destaca-se fundamentalmente pela sua importante pecuária, fundamentalmente bovino, embora também exista uma interessante produção caprina. Também se destaca pelos atrativos turísticos de suas redondezas e por ser o principal centro de serviços de Caviahue - Copahue.

No seu entorno, suas paisagens se caracterizam por campos de suaves declives e colinas suaves ao Norte e ao Este e a Cordilheira dos Andes ao Oeste, os conjuntos de araucárias e os riachos oferecem um ambiente único e especial.


Postal camino a Chenque Pehuén - Foto: Eric Schroeder

História de Loncopue

Durante a operação militar denominada “Conquista del Desierto” foi instalado em 1882 um forte junto ao riacho Loncopué.

No ano de 1884 o poder executivo nacional define a região como estabelecimento da capital do território e a Nomeia de “Campana Mahuida”.

A cidade foi fundada em 1897, em terras cedidas pelo governo como premio pelos serviços prestados por Don Pedro Nazarre, primeiro comissário administrador da IV Divisão expedicionária e depois da 1º Brigada que lhe sucedeu na unidade militar dos fortes de Neuquén e de Agrio.

Em maio de 1924, o governo do território do Neuquén cria a Comissão de Fomento de Loncopué.



Zona rural de Loncopué - Foto: Eric Schroeder

O que visitar em Loncopue

Riscos Bayos

Estabelecimento rural dedicado ao agroturismo localizada a 25 km da cidade, conta com 1380 hectares de pastos naturais, dos quais 50% estão cobertos por pedras dos penhascos. Os Penhascos Bayos têm uma peculiar característica geológica: trata-se de uma capa de cinza vulcânica da era terciária, que foi depositada no leito seco, e logo foi compactada pelas glaciais e erodiu pelo vento, ocasionando formações pétreas e em seus picos se enraizou um pequeno bosque de ciprestes centenários, que sobreviveu às tormentas de vento e neve do inverno e à seca do verão.

No estabelecimento o visitante poderá percorrer a granja desfrutando das plantações de frutas finas, o setor de criação de coelhos, a estufa, o rebanho de cabras leiteiras e o defumador. Também poderá realizar caminhadas, observando aves, esquilos, fotografando ciprestes e entardeceres. Pela noite o turista é esperado com velas na sala familiar, onde poderá degustar um saboroso bode assado ou algumas das vinte e cinco variedades de pratos artesanais, assim como também as sete variedades de pães e sobremesas. Tudo isso acompanhado por uma cerimônia de chá de menta e licores artesanais.


Riscos Bayos- Foto: Eric Schroeder


Riscos Bayos - Foto: Gerardo Franchi


Chenque Pehuén

A paisagem caracterizada por um vale de origem glaciário é dominado pela presença das araucárias, a rocha vulcânica e a serra Baya com uma altura de 2554 metros acima do nível do mar Imagina-se que esta serra foi um vulcão, cheia de areia e coirones (um tipo de capim alto) pode ser um grande desafio para quem é adepto às subidas difíceis.

No lugar é possível realizar diferentes atividades como: cavalgadas, trekking, caminhadas por caminhos sugestivos, travessias em 4x4 e ciclismo na montanha, acampamento, safári fotográfico. Em direção ao oeste a 10 km aproximadamente está o município Nuco Pehuén que possui extensas várzeas em um vale cheio de vegetação e animais selvagens. Além das araucárias é possível observar uma grande quantidade de ñires e lengas (tipos de árvores regionais).


Chenque Pehuén - Foto: Eric Schroeder


Río Agrio

Tem origem nas neves do vulcão Copahue a uns 2000 m de altura, formando no seu início um pequeno lago de 6,5 km2 de superfície para continuar seu curso até chegar ao rio Neuquén, depois de percorrer 200 km aproximadamente.

Suas águas sulfurosas com um sabor ácido-amargo lhe dão seu nome. Elas constituem uma alternativa recreativa para a população local e para aqueles turistas que queiram passar uma tarde tranquila.


Río Agrio - Foto: Eric Schroeder


Riacho Hualcupén

Provem dos degelos da Cordilheira e das vertentes próximas; é possível praticar passeios em canoas e botes. Como região montanhosa é um lugar ideal para a prática de rapel e parapente.

Também é possível observar nas formações rochosas curiosas imagens esculpidas e uma diversificada fauna com águias, condores, raposas, maritacas, corujas, morcegos, pumas e lontras entre outras.


Arroyo Hualcupén - Foto: Eric Schroeder


Colina la Parva

Com uma altura de 1597 m tem-se acesso até a base da colina a pé, cavalo, ciclismo na montanha, ou de veículo 4x4. Desde ali é recomendável subir a pé, até chegar ao pico onde é possível observar restos vegetais, especificamente troncos petrificados. Este lugar constitui um ponto panorâmico desde onde é possível apreciar grande quantidade de atrativos, como o vulcão Copahue, a serra Baya e o povoado de Loncopué.


Cajón de Almaza

É um vale que está aproximadamente a 14 km ao sudeste de Loncopué onde vive um pequeno núcleo populacional dedicado à pecuária e agricultura para o consumo local.

Ao chegar até ali nos permite observar uma paisagem diferente e a forma típica desta região com as construções campestres, os currais, etc. O passeio a pé nos possibilita encontrar com restos fósseis como caracóis ou ovos.


Cajón de Almaza - Foto: Eric Schroeder


Riacho Loncopué e Yumu Yumu

Provêm dos degelos da Cordilheira e é possível praticar a pesca de: arco-íris, perca, peixe-rei patagônico e truta manchada.


Arroyo Yum Yum - Foto: Eric Schroeder<


Altas Torres

Para os amantes das caminhadas e da natureza é proposto um passeio pela costa do rio Agrio onde poderão descobrir uma surpreendente paisagem nas formações rochosas dos abismos da costa do rio; subindo a correnteza encontrarão um tronco sobre o riacho Pichinco, uma afluente do rio Agrio até adentrar no desfiladeiro propriamente dito, onde poderão avistar as altas torres, um conjunto de oito colunas cilíndricas erodidas pelo vento e dispostas em forma circular.


Valle del Río Agrio - Foto: Argentour.com




O QUE VISITAR EN Neuquén