Huinganco

Origem do nome: Huinganco do mapudungun “huingán”, nome de um arbusto nativo e encontrado perto de água, vertente, riacho. Formando a expressão: riacho dos huinganes ou onde há huinganes.

Como chegar: Ruta Provincial 39

Temperaturas no verão: Média máxima 27°C / Média mínima 13°C

Temperaturas no inverno: Média máxima 13°C / Média mínima 2°C

Distância até Neuquen Capital: 461 km.

Distância até a Buenos Aires: 1387 km.

Prefeitura: Los Ñires e Av. Belgrano | Tel: +54 2948 499101

Posto de gasolina: Não


Huinganco e Cordillera del Viento


Relacionada diretamente com a história florestal da província, Huinganco se caracteriza por estar imersa em um bosque de pinheiros que foi se formando com a colocação de plantas desde 1964. A transformação realizada fez com que este local começasse a ser chamado de "El Jardín del Neuquén".

Localizada a 1200 metros acima do nível do mar, em plena Cordilheira Del Viento, quando se aproxima a Huinganco muda repentinamente da árida paisagem característico da região norte provincial a um verde de pinheiros e um bosque fechado que cobre a cidade.

O viveiro e as tarefas florestais (como o reflorestamento de campo, a manutenção de bosques, as serrarias e a carpintaria) são atividades transcendentes no local. Durante os últimos anos a criação de trutas-arco-íris também ganhou seu espaço –destinadas à comercialização- a través de pisciculturas e a elaboração de marmeladas de alta qualidade que se comercializam no lugar e no resto do país.


Huinganco primaveral - Foto: Osvaldo Gagliardi


História de Huinganco

Com a chegada do Exército Argentino em 1879, a área foi incorporada à soberania argentina, e foi nomeada para tal a primeira autoridade civil do Neuquén. Esta se instalou no vale de Huinganco e Charra Ruca.

Em 1883 começou a bonança mineira que atraiu aos mineradores chilenos e de todo o mundo que trabalhava nos lavadouros auríferos. A região chegou a ser conhecida como “La California Argentina” tanto pelo seu ouro abundante quanto pelas particularidades da vida minera.

No ano de 1922 aconteceu um fato fundamental para o futuro de Huinganco, foi criada a Escuela Primaria N° 76 que foi nomeada de Temístocles Figueroa, primeiro professor nativo do Neuquén.

Em abril de 1964, o então governador do Neuquén, Don Felipe Sapag cria a Comissão de Fomento.

Em 1971 no campo El Manzano foram plantados os primeiros 520 pinheiros e centenas de estacas de choupos brancos. Assim nascia o Primeiro bosque comunal argentino. Hoje Huinganco tem mais de 3700 hectares reflorestados na sua extensão.


Huinganco otoñal - Foto: Osvaldo Gagliardi


O que visitar em Huinganco

Mirantes San Pedro

Antigamente este lugar era utilizado pelos criadores como mirante, a partir de onde podiam ver seus animais. Continuando com a subida e aproveitando da paisagem, chegamos a um lugar chamado La Herradura, de onde é possível ver o Rio Neuquén, Andacollo, o caminho em direção a Las Ovejas e o dos Miches. Chegando ao primeiro mirante, temos uma excelente vista da Cordilheira Del Viento e de Huinganco. Continuando chegamos a uma abertura natural onde está o Santuário do Sagrado Coração de Jesus, padroeiro do local.

Usina del Manzano

Construída na década de 40 pela empresa Mineira Leonardi, esteve em funcionamiento até 1982 abastecendo Huinganco, Andacollo e Las Ovejas de energia elétrica. É considerada a Primeira Usina Hidroelétrica da Província de Neuquén.

Monumento Natural Cañada Molina

Indo pela RP 39, a 22 km do centro de Andacollo e a 7km de Huinganco, chega-se ao Monumento Provincial Cañada Molina, onde são preservados alguns exemplares de ciprestes de 1200 anos, considerados os mais antigos do hemisfério sul segundo estudos da Universidade de Tucson, Arizona, EUA. A partir de um pedaço de tronco de cipreste pertencente desta relíquia, que foi derrubado por uma tormenta em 1989 e que atualmente se expõe no Museu da Árvore e da Madeira do viveiro Huinganco. Foi possível datar seu nascimento no ano 800 da nossa era, condição que mereceu a realização de estudos paleoclimáticos.

O traço mais característico da flora desta área protegida é o grupo de ciprestes da Cordilheira que formam bosques isolados ou pequenas matas, muitas vezes associados à espécie Lomatia hirsuta achaparrada. Estes ciprestes são uma relíquia dos extensos bosques que eram possíveis de encontrar na região e que foram derrubados para serem utilizados nas minas de ouro e como lenha.

É recomendável a subida com um guia.

Colina Corona

É possível ter acesso a ela, culmina a 2992 metros acima do nível do mar. O tempo de chegada até o pico é de aproximadamente cinco horas. Durante a caminhada é possível admirar a paisagem que envolve a Cordilheira Del Viento. Desde o pico da colina podemos apreciar uma vista panorâmica incrível do lugar, com lagoas, rios e municípios.


Ascenso al Cerro Corona - Foto: Osvaldo Gagliardi


Minas de Ouro

É uma visita guiada, é possível visitar em veículos 4x4, caminhando ou cavalgando, se visita um mercado onde é feito um bate-papo sobre o processo de extração do ouro. Depois vamos à jazida aurífera mina Aurora, onde poderá encontrar galerias trabalhadas desde 1936. Finalmente, é feita uma caminhada ao aluvião Los Rastrojos, onde é possível realizar um safári fotográfico na região dos riachos Huemules e Rahueco.

Museo del Árbol y la Madera

É possível observar diferentes tipos de madeira, além de notas antigas, pedras e fotografias do passado da região. Entre suas curiosidades há um pedaço de tronco de cipreste de mais de 1200 anos.


Huinganco invernal - Foto: Osvaldo Gagliardi



O QUE VISITAR EN Neuquén