Chos Malal

Origem do nome: Do mapudungun: "Chod": amarelo/ocre. "Malal": Curral/lugar fechado/vale. "Chos Malal": Vale Ocre.

Como chegar: RN 40 ou RP 43 e RP2.

Temperaturas no verão: Média máxima 29°C / Média mínima 12°C

Temperaturas no inverno: Média máxima 12°C / Média mínima 1°C

Distância até Neuquen Capital: 399 km (Por RN 40), 374 km (RP 6), 329 km (RP 7 de cascalho)

Distância até a Buenos Aires: 1324 km.

Informação de Turismo: 25 de Mayo 89 | Tel. +54 2948 421425

Posto de gasolina: Sim


Puestero local cabalgando junto al Volcán Tromen - Foto: Argentour.com


A que foi a primeira capital provincial está localizada a 150 km do limite com Mendoza, na RN 40, a beira do rio Curí Leuvú, próxima da confluência com o rio Neuquén.

O local é o eixo geográfico da região norte e a entrada para visitar os diferentes locais e os municípios nas mediações. Há paisagens verdes, chácaras, alamedas, salgueiros; Ruas com canais e modernos bairros construídos em direção as encostas que cercam o local.

Atualmente as principais atividades econômicas estão voltadas a área agropecuária, predominando a criação de gado caprino e a produção de fruta, hortaliças, verduras e fruta de boa qualidade. É famosa pela qualidade da sua carne de cabrito, o que deu origem à realização anual da "Festa do Cabrito" e à denominação da origem da sua carne como: Cabrito Crioulo do Norte Neuquino.


Río Neuquén y Chos Malal vistos desde el Cerro Mayal (1.700 msnm) - Foto: Luis Alberto Reyes.


História de Chos Malal

Na união dos rios Curi Leuvú e Neuquén, no dia 10 de maio de 1879 o coronel Napoleão Uriburu levantou um forte que denominou de Fuerte IV División. Sob a proteção deste, no dia 4 de agosto de 1887 o povoado de Chos Malal foi fundado e declarado Capital do Território do Neuquén, pelo coronel Manuel Olascoaga.

Em 1904 a capital do território foi transferida para a região da confluência e o local perdeu o registro de autoridades provinciais, administrativas e judiciais, foi retirada a tropa e inclusive do correio.

Entre 1904 e 1937 ocorre um período de grande isolamento para toda a região do norte, onde somente ficavam os moradores insistentes e comerciantes de origem européia, que se apegaram ao lugar.

Em 1941 se estabeleceu a filial do Banco Nación, para o qual se constrói um belo edifício e se nacionaliza definitivamente a economia, dado que desaparece a moeda chilena que até então ainda circulava na região.


Museo Histórico Manuel José Olascoaga - Foto: Argentour.com


Arriero llevando sus chivos a la veranada - Foto: Argentour.com


O que visitar en Chos Malal

Fuerte IV División con el Torreón

No dia 10 de maio de 1879 começaram a construir o Fuerte IV División do exército que comandava o Coronel Napoleão Uriburu. Em 1944 o antigo Forte junto com suas dependências foi declarado monumento histórico nacional. Desde sua localização tem-se uma bela vista panorâmica da região.


El Torreón visto desde una Puesto de trashumancia junto al río Neuquén - Foto: Osvaldo Gagliardi


Museu Histórico Manuel José Olascoaga

Neste museu se destaca a presença de materiais referentes à vida e obra de Manuel Olascoaga, a história do território neuquino quando Chos Malal era sua capital, a relevância da Conquista do Deserto e a vida de quem habitou o Norte Neuquino.

Também se destaca a presença de materiais arqueológicos que mostram a vida dos habitantes desta região durante os últimos séculos, por exemplo, lugares como A mina de Sal de Truquico e o Cemitério de Caepe Malal.


Museu Histórico Manuel José Olascoaga - Foto: Argentour.com


Área Natural Protegida Tromen

Foi criada em 1971 e cobre uma superfície de 30.000 hectares as quais estão imersas dentro da eco-região da planície patagônica e altos Andes, constituindo uma amostra representativa das regiãos úmidas.

Protege principalmente a Lagoa Tromen e a região úmida Los Barros, lugares que se caracterizam pelos ninhos e concentração de aves migratórias. Neste lugar poderá encontrar cisnes de pescoço preto, Chloephaga poliocephala (cauquenes), patos, mergulhões, garças, curicacas, gavião bico de gancho, sargento da asa amarela e flamingos. Também se concentram aves migratórias que chegam desde lugares distantes como a tundra ártica canadense: os pitotois, os maçaricos de colete e o dromadidae.

Da mesma forma a planície surpreende, não só pelo seu aparente isolamento, mas também pela variedade de répteis e pequenos mamíferos que encontram refugio em inumeráveis cavidades rochosas, ou que aparecem camuflados entre os arbustos. O mesmo fazem as cobras e mais de cinco espécies de lagartixas do diversificado gênero “Liolaemus”, ou o raro e pouco conhecido tuco-tuco, que compartilham com o Viscacha das serras e diferentes gêneros de pequenos roedores dos níveis baixos na cadeia alimentar. Por isso não surpreende a quantidade de aves de rapina, raposas, furões e pumas que habitam esta região.

Em 2 de fevereiro de 2006 se nomeou esta região de Sitio RAMSAR (O objetivo dos SITIOS RAMSAR é «a conservação e o uso racional das regiões úmidas mediante ações locais, regionais e nacionais e graças à cooperação internacional, como contribuição à conquista de um desenvolvimento sustentável em todo o mundo»).

Mas información Área Natural Protegida Tromen


Flamencos en la Laguna Tromen - Foto: Alejandra Melideo


Vulcão Tromen

Localizado a 55 km de Chos Malal, é considerado com seus 4114 metros acima do nível do mar (outras medições dizem 4108 metros acima do nível do mar) o segundo pico mais alto da Patagônia depois do Domuyo, de 4709 metros acima do nível do mar.

É do tipo estratovulcão e está localizado dentro dos limites da Área Natural Protegida Tromen. Seu nome deriva do vocabulário mapuche "tomen", que significa um tipo de junco aquático (totora ou espadaña). O Vulcão Tromen também é chamado de "Pun Mahuida", que significaria "colina negra ou nublada". Geologicamente, é um dos vulcões mais novos dos Andes, datando do Plistoceno (1,8 milhões de anos atrás, aprox.), e as correntes de lava mais novas só datam de 1500 anos, sendo altamente registradas nas pinturas rupestres pelos aborígenes do lugar.

Mas información Área Natural Protegida Tromen


Ascendo al Volcán Tromen. De fondo el Cerro Wayle y el Domuyo (4709 msnm) - Foto: Osvaldo Gagliardi


Parque de Neve Cierro Wayle

Percorrendo 50 km em direção ao norte desde Chos Malal pela RP 2 e depois pela RP 37 (ambas de cascalho), chega-se a este jovem centro de esqui.

Wayle significa em Mapuche “lugar oco, sem centro”. Esta colina (3296 metros acima do nível do mar) possui uma forma muito particular, onde 4 filões, que marcam uma onda ou bateia interior, permitem a prática do esqui alpino e nórdico. Na sua base, a 2260 m, existe um refúgio-confeitaria que fornece todos os serviços para uma estadia confortável, e uma agência de aluguel de equipamentos alpinos que conta com equipamentos de esquis completos mesmo o estoque sendo mínimo. A Colina conta com três pistas de 300 metros cada uma e um desnível esquiável de 200 metros, além de muito boas condições para a prática do esqui fora de pista.

Mais informações na página: Cerro Wayle

Chorriaca

Localizado a uns 90 km ao sul de Chos Malal pela RN 40 se encontra este lugar que se caracteriza por ser uma importante jazida de cloreto de sódio. O local estende seu raio de ação e assistência aos municípios de Mina Continental a 15 km, Coihueco a 10 km, Balsa Huitrín a 40 km, Agua Dulce a 5 km, Paso Hacha e Trahuncurá.

O conglomerado urbano se localiza no lote reservado a favor da agrupação indígena Kilapi e se aprecia a uns 1000 m desde a Rodovia Nacional. De casas baixas e com a homogeneidade própria das moradias realizadas pelo governo provincial durante diferentes etapas, é basicamente uma comunidade indígena, com serviços básicos cobertos e uma estrutura urbana que, mesmo sendo pequena, não se difere em nada de outras localidades da nossa província.

Taquimilán

Este pitoresco lugar está localizado junto à RP 29, ao sul de Chos Malal em ambas as margens do riacho com o mesmo nome.

Entre os vários atrativos turísticos que podemos encontrar no lugar podemos mencionar as Ruínas das minas de carvão Santa Marta e a Esperanza Cimita: No ano de 1943, no mês de junho, ocorreram duas explosões: uma no poço 25 da mina Santa Marta, e outra em 2 de Junho do ano seguinte, na mina La Esperanza de Taquimilán, que deixaram como saldo vinte e três vítimas, das quais seis morrerem dentro das galerias.

Requer uma menção especial a denominada “Ciudad Encantada” de Taquimilán. A região conserva um grande mistério e é a imagem que acostuma aparecer nos meses de maio ou junho em Taquimilán Abajo. Perto da hora do entardecer e em direção sul/sudoeste é possível visualizar o que seria um povoado afastado, com imagens que parecem ser construções antigas. Em 2009 pode-se apreciar a imagem por vários trajetos, e inclusive, foi possível registrar.

Villa Curi Leuvú

A localidade de Villa Curi Leuvú — que tem acesso pela RP42— está situada a beira do rio Curi Leuvú e estende seu terreno até os municípios de Chacay Melehue, Caepe Malal, Los Menucos, Aquihuecó e Ñiraico.

Talvez a atração turística mais importante do lugar seja o Museu Provincial Ana María Bisset. Levantado no mesmo lugar onde foram descobertos um cemitério indígena e restos de uma comunidade mapuche que data de princípios do século XVIII, o museu possui importantíssimas peças arqueológicas. Também é conhecido pelo nome de jazida arqueológica Caepe Malal e está sobre a margem direita do rio Curi Leuvú, em um lugar de vegetação de arbustiva muito próximo da RP 41.

Por investigações que atualmente estão em processo, foi possível determinar que em Caepe Malal, durante o século XVIII, os habitantes realizavam rituais funerários onde os cadáveres eram acompanhados até a tumba com enfeites pessoais, vasilhas com comida e outros alimentos soltos.

A partir da análise dos materiais resgatados, foi possível saber que comercializavam com os europeus, obtendo miçangas e metais que eram utilizados para realizar diferentes enfeites.

Laguna y Cascada del Risco Negro

Encravada na Cordilheira Del Viento a altura do Alamito está a Lagoa do Risco Negro e sua cascata, onde é possível praticar a pesca enquanto se desfruta do seu belo entorno.

Voos com planadores

A Cordillera del Viento apresenta uma ótima situação para o voo à vela graças às suas características naturais que oferecem o ambiente adequado para realizar voos de natureza diferente.Por isso, chegam ao lugar interessados do mundo inteiro que concentram suas operações no aeródromo Oscar Reguera.

Os planadores, que são rebocados por um aviãozinho até uma certa altura, quando encontram uma corrente ascendente se soltam do aviãozinho e ali entra a perícia dos pilotos que aproveitam as condições naturais do lugar, o vento, as correntes que são geradas com o rebote nas montanhas e as condições térmicas para subir, deslocar-se e manter-se no ar por horas.

Chos Malal possibilitou aos praticantes de voo à vela alcançar seus ansiados recordes e muitos voltam todos os anos convencidos de que existem poucos lugares no mundo com condições similares às que existem na Cordillera del Viento.

Conseguimos aqui importantes conquistas entre elas o recorde argentino de velocidade, numerosos voos chegando até quase 10 mil metros de altura, voos de mais de 1.000 km e recordes argentinos e mundiais em distância.


Mapa Satelital de Chos Malal


O QUE VISITAR EN Neuquén