Indígenas da Argentina

Cueva de las Manos no canhadão do rio Pinturas, da Santa Cruz

Dos primeiros habitantes do território argentino, ficam algumas de suas expressões culturais através de jazidas arqueológicas, construçoes e desenhos sobre rocha. Conhecê-los é entrar em suas formas de vida, crenças e tratamento da flora e fauna nativa, ao mesmo tempo em que descobrimos quanto deles ainda persiste entre nós.

Um dos rastros mais antigos destes homens encontra-se na Cueva de las Manos no canhadão do rio Pinturas, da Santa Cruz. Neste sítio há imagens de 829 mãos humanas jun to a cenas de caça e desenhos geométricos em vermelho, ocre, violáceos, preto e amarelo que foram pintadas faz 9500 anos. Este lugar foi declarado Patrimônio Cultural de Humanidade.




O Noroeste conserva restos de vários povoados de civilizações pré-colombianas que deixam ver sua arquitectura em pedra e barro nas localidades de Tilcara (Jujuy), Santa Rosa del Tastil (Salta) e Quilmes (Tucumán). Trata-se de assentamentos urbanos em que seus habitantes se dedicavam a cultivar as terras e a criar gado de pequenos animais.

Mais próximas no tempo, as construçoes dos séculos XVI ao XVIII, realizadas pelos aborígines com a direção dos jesuítas não deixam de nos maravilhar. A majestosa arquitetura sobrevive ainda nas ruínas das missões de San Ignacio Miní, Loreto e Santa Ana na província de Misiones. O verde intenso da selva missionária e a argilosa terra tinta são um marco espetacular para estes lugares que quiseram ser alguma vez, modelo de uma nova organização social neste novo continente.

San Ignacio Miní




Outros testemunhos da presença deste missionários se encontram na cidade de Córdoba, na Manzana Jesuítica, onde ainda funcionam a Universidade Nacional do Córdoba e o Colégio Montserrat, inscritos na Lista de Patrimônio da Humanidade da UNESCO.